sexta-feira, 27 de março de 2009

Pontos Finais.

A mente grita por descanso.
Grito: denso e corrosivo como enlouquecer lentamente.
Aos poucos vou chegando no limite de mim.
Será o fim?

Ainda sonho, portanto respiro.

Meu corpo é meu templo.
Do meu altar se vê de tudo: homens e vilões, mulheres e anões.
Que sonham com paixões, vivem conflitos e tensões.

Do paraíso ao inferno.
O mergulho intenso no eu é seu
Poeta delirante de palavras sóbrias.
Um mero contador de histórias.

A metade exilada de mim.
Saudade latejante.
O inesquecível aparece a todo instante.

Ainda sonho, portanto respiro.

Um comentário:

  1. Poeta delirante de palavras sobrias!

    amei isso !

    Fantastico !

    ResponderExcluir