quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Bebê do Big Bang.

Nesse choro, dê pandeiro que canta pelas mãos do maestro do samba, dê bem-estar e dê cervejas que molham palavras e refrescam idéias, sou verão e padeço em perdição.

Algo me falta, alguém está faltando. Lê, donde estás?
Mergulhando em mim, te sinto. Bonita.

Esqueço o samba, fecho os olhos, um segundo e lá estamos nós: juntos, tão espremidos no sentido da palavra, que nos (trans)formamos em um único ser, filhos da mãe d’água. É confortável ver nossas auras nadando juntas, a adrenalina corre nas minhas veias reais e imaginárias nutrindo minhas virtudes e esse é seu efeito em mim.

(Beijo lento, apaixonável e interminável – quero, preciso, necessito)

Pensamento luz rápido, palavras e poesias recitadas no vento, enfeitam você pelo toque sensível das minhas mãos trêmulas e meu sorriso desajeitado é seu, só seu e de mais ninguém.

Um impacto em minha vida,
um amor que cura qualquer ferida.

As luzes se ascenderam, última música, um trago,
para sempre juntos.

5 comentários:

  1. ai ai ai....me encanta!

    ResponderExcluir
  2. Leo, o seu lado romântico está cada vez mais criativo... ou será você que está a cada dia mais apaixonado?

    Não quero ser repetitiva, mas "Que lindo isso" é o que eu sempre digo!

    ResponderExcluir
  3. Nesse choro, dê pandeiro que canta pelas mãos do maestro do samba, dê bem-estar e dê cervejas que molham palavras e refrescam idéias, sou verão e padeço em perdição.


    FANTÁSTICOOOOOO!!!

    AMEIIII...ARREPIEII..APAIXONEI!

    LINDOO POR DEMAIS!

    ResponderExcluir