sábado, 10 de novembro de 2012

A 40 milhas do tédio.



Ilustre sua cabeça com toques de piano
Sensíveis, porém invulneráveis
Imagine o destino que nunca teve
Torne-se inevitável

Tenho uma doença de estimação
Mas as memórias, elas me deixam voar, obrigado
Só sei que quando pequenas erupções acontecem
dentro algo surge

Pare e analise o quanto você é você
Sente-se na mesa com anjos e demônios
Viaje até o deslumbre acontecer
O amanhecer não é um limite
E ainda posso gritar até explodir os pulmões

O destino tem esse jeito estranho de fazer a gente sorrir
Ficar pensando nisso me faz bem, me deixa tranquilo
Noite que explode em dia, dia que implode a noite
Rabiscos e rascunhos contornam meu coração
Enquanto escuto Paganini a 180km por hora

Em algum lugar onde o silêncio ainda é doce
Tenho convulsões inspiradas pichando paredes
Lembrando que meu fogo ainda não se apagou ou apegou.
E nada sobra.
Nada além de memórias. Só memórias.

2 comentários:

  1. lindo, alguém me disse, um filme talvez, que tudo isso tem que ter e sentir ao som de Puccini

    ResponderExcluir
  2. nossaa... imagine...

    ResponderExcluir